VaaS: o modelo de mobilidade que está mudando o mercado de automóveis

Analisamos a tendência crescente do modelo de assinatura no setor automotivo e como ele pode transformar nosso relacionamento com os veículos. Quais são as principais vantagens e desafios de implementá-lo em comparação com a propriedade tradicional?

Conteúdo

Mesmos serviços, novas regras

Nos últimos tempos, podemos identificar uma tendência crescente em relação aos serviços de assinatura; em particular, no mercado automotivo, várias marcas renomadas estão embarcando nesse modelo de negócios. Esses serviços buscam ampliar a experiência do usuário, oferecendo funcionalidades como assentos aquecidos, chaveiros de partida remota, direção assistida ou reconhecimento de comandos de voz.

Esse modelo de assinatura gerou muita controvérsia, pois implica que os usuários podem fazer uso das funcionalidades que o carro já possui, desde que paguem uma taxa mensal. Entre as marcas que oferecem esses serviços estão BMW, Volkswagen, Toyota, Audi, Cadillac, Porsche e Tesla, entre outras. Mas o que acontece quando o cliente compra o veículo e decide não pagar separadamente?

Sam Abuelsamid, analista-chefe de pesquisa de mobilidade da Guidehouse Insights, afirma: "Não há dúvida de que os fabricantes de automóveis querem que os clientes se acostumem com isso, mas, francamente, estou cético quanto à possibilidade de isso funcionar. Acrescente-se a isso o esforço do setor para produzir mais veículos elétricos, e espera-se que o preço médio dos carros aumente nos próximos anos, o que incentivaria os fabricantes a dobrar a oferta desses serviços para compensar os custos de produção mais altos.

No entanto, as pessoas não aceitam esses termos. Uma pesquisa da Cox Automotive revelou que 75% dos entrevistados não estão dispostos a pagar uma assinatura, seja anual ou mensal, para acessar os recursos do veículo. Em vez disso, a expectativa é que esses serviços e recursos extras sejam incluídos antecipadamente no preço total da compra.

O que é VaaS?

O Vehicle as a Service (VaaS) é um modelo de negócios emergente no setor automotivo que, como o nome indica, oferece acesso a veículos por meio de serviços de assinatura flexíveis em vez da propriedade tradicional. Esse modelo permite que os usuários desfrutem da mobilidade sem as obrigações e os custos associados à propriedade do carro.

Por meio de assinaturas de acordo com suas necessidades, os clientes podem acessar os veículos por períodos que variam de alguns minutos a vários anos.

Os principais recursos do modelo VaaS são:

  • Flexibilidade e acesso: é uma solução flexível que se adapta às mudanças nas demandas de mobilidade dos consumidores. Os usuários podem escolher entre uma variedade de veículos e serviços, sem compromisso de longo prazo.
  • Inovação e tecnologia: veículos que incorporam as mais recentes inovações tecnológicas, especialmente veículos elétricos e autônomos, são frequentemente usados. Isso oferece aos consumidores acesso à melhor e mais recente tecnologia sem a necessidade de investimentos caros ou compromissos longos.
  • Serviços integrados: serviços adicionais, como seguro, manutenção, assistência nas estradas e, em alguns casos, recarga de veículos elétricos, geralmente estão incluídos na tarifa. Assim, as necessidades do carro são atendidas em um único pagamento mensal.
  • Compromissos financeiros reduzidos: o consumidor evita grandes desembolsos iniciais e compromissos financeiros longos, como ocorre com a compra tradicional ou o leasing. Isso se torna atraente em um ambiente econômico em que a flexibilidade financeira é cada vez mais valorizada.
  • Sustentabilidade e eficiência: a prioridade é dada aos veículos elétricos e com eficiência energética, apoiando os esforços para uma mobilidade mais sustentável e ajudando a reduzir a pegada de carbono.
  • Acesso digital simplificado: as plataformas digitais são aproveitadas para facilitar o processo de gerenciamento de assinaturas e veículos. Os usuários podem gerenciar suas assinaturas e serviços e selecionar opções de veículos facilmente on-line ou por meio de aplicativos, tornando o processo intuitivo e sem complicações.

Esse modelo nasce em um momento de transformação no setor automotivo, com duas forças disruptivas impactando ao mesmo tempo: inovação radical de produtos com veículos elétricos e autônomos e novas demandas dos clientes que pressionam por mudanças fundamentais no modelo de vendas atual.

Para entender essas demandas, a empresa de consultoria Berylls realizou um estudo na Alemanha com 2040 clientes particulares, com idades entre 16 e 56 anos. Seu objetivo era entender onde, como e por que o processo de compra de carros.

Algumas descobertas

Os clientes querem cada vez mais mudar da propriedade do veículo para modelos baseados no uso (com um aumento de 38% na participação de mercado até 2025) que ofereçam maior flexibilidade e acesso à tecnologia mais recente, minimizando os riscos.

Como resultado, modelos como o VaaS ganham relevância. A baixa barreira de entrada da VaaS consegue atrair pessoas que não possuem carros atualmente, o que abre um mercado potencial adicional de 1,32 milhão de clientes (somente na Alemanha).

A fidelidade à marca entre os clientes de VaaS é 50% menor em comparação com os clientes tradicionais, o que representa um risco para os fabricantes e revendedores de automóveis. Eles podem perder participação de mercado para novos participantes, ao mesmo tempo em que permitem que novas marcas de EV entrem no mercado sem precisar de grandes orçamentos para construir redes de vendas off-line.

Como é esse modelo em operação?

Por exemplo, a Helixx Technologies, uma empresa com sede no Reino Unido especializada na produção de veículos, anunciou recentemente planos para implantar seus serviços de assinatura de veículos.

Seu objetivo é entrar no setor do mercado de micromobilidade, com foco nos países em desenvolvimento, onde os veículos são tradicionalmente importados e caros. Como parte dessa iniciativa, eles também têm um sistema inovador para oferecer uma solução de "fábrica em uma caixa", que envolve a criação de uma fábrica local em um período de apenas 6 meses.

Embora os veículos que eles oferecem possam parecer modestos para os padrões do mundo desenvolvido, eles são ajustados para competir no mercado-alvo inicial, que é o Sudeste Asiático.

O objetivo da empresa é oferecer opções de transporte econômicas para pessoas que não querem ou não podem arcar com os custos iniciais do modelo de propriedade e que não precisam de um veículo que ultrapasse 80 km/h. Além disso, sua modularidade e facilidade de montagem permitem que ele atenda facilmente a uma ampla gama de casos de uso.

A taxa de assinatura mais barata da Helixx é de US$ 0,25 centavos por hora, o que equivale a US$ 6,00 por dia, sem custos iniciais e sem nenhum outro custo (a carga elétrica é paga separadamente). Além disso, se o veículo parar de funcionar ou sofrer um acidente, uma substituição instantânea estará disponível, o que é um atributo atraente para aqueles que o utilizam para fins comerciais, ainda mais em operações que envolvem o gerenciamento de grandes frotas.

Desafios e perspectivas de implementação

No contexto atual da mobilidade, esse modelo de serviço e de pagamento por uso é disruptivo em vários aspectos e, portanto, sua adoção enfrenta vários desafios. Desde as regulamentações necessárias até as mudanças culturais na percepção de propriedade, esses fatores desempenham um papel fundamental na evolução da adoção do modelo.

Em princípio, há desafios específicos do mercado, como:

  • Legislação e regulamentação: À medida que os modelos baseados no uso, como o VaaS, ganham terreno, as regulamentações não conseguem acompanhar o ritmo e se adaptar rapidamente aos modelos alternativos de propriedade de veículos. As mudanças na tecnologia e nas expectativas dos consumidores exigem uma estrutura regulatória atualizada.
  • Desafios de implementação técnica: a implementação de um sistema VaaS exige uma infraestrutura robusta para suporte logístico, manutenção e gerenciamento de frota, o que pode ser um grande desafio, especialmente em áreas menos desenvolvidas tecnologicamente. Portanto, os fabricantes de automóveis tradicionais, graças à sua infraestrutura, estariam, em princípio, em melhor posição para se adaptar e começar a desenvolver modelos de assinatura que favoreçam o acesso em vez da propriedade.

Por outro lado, há a percepção do consumidor, já que a mudança para esse tipo de modelo implicaria uma mudança cultural em relação à necessidade de possuir um veículo. A maioria dos usuários valoriza a propriedade como um símbolo de status ou segurança financeira, mas junto com a propriedade há também responsabilidades, riscos e compromissos de longo prazo que muitas pessoas não estão mais dispostas a aceitar.

De acordo com um relatório da empresa de consultoria Deloitte, nos últimos anos houve um declínio constante na importância e na atratividade da propriedade de automóveis. Os carros perderam sua imagem como símbolos de status, e não apenas para a geração do milênio.

Em um mundo dinâmico, os consumidores começaram a ver os contratos convencionais de financiamento e leasing de automóveis como um ônus e não como um benefício.

Repensando os modelos de propriedade

O modelo VaaS propõe repensar a propriedade tradicional de automóveis em favor de alternativas mais flexíveis e adaptadas às nossas necessidades reais. Embora muitos vejam a propriedade de um carro como uma extensão de nossa liberdade pessoal, os dados indicam que, na maioria das vezes, esse valioso ativo permanece sem uso.

No Reino Unido, a Royal Automobile Club Foundation publicou um relatório revelando que os carros ficam parados 96,5% do tempo. Isso significa que um carro particular fica ocioso, em média, 23 horas por dia.

Isso nos leva a questionar a eficiência econômica e prática de possuir um veículo em comparação com a opção por soluções baseadas em assinaturas, pois destaca um aspecto crucial do VaaS: a utilidade de cada veículo é maximizada ao compartilhá-lo entre vários usuários, reduzindo assim o número total de veículos necessários e, portanto, diminuindo o impacto ambiental.

Você tem um carro e quanto o usa diariamente?


Por Martin Piriz, Assistente de Pesquisa e Desenvolvimento do Quantik Labs

Martin é um estudante avançado de Engenharia de Sistemas de Comunicação com foco no processamento de sinais e aprendizado de máquinas.
Desde 2022 ele faz parte da QuantikLabs, ajudando na pesquisa e desenvolvimento de projetos e produtos.


Sobre a Quantik Lab

O Quantik Lab é a área do Grupo Quantik dedicada à pesquisa e desenvolvimento (P&D). Seu objetivo é incentivar e amadurecer a criação de novos produtos e tecnologias, que podem então ser ampliados. As idéias para explorar novos temas vêm tanto de clientes como de colaboradores.

Hoje, ele realiza pesquisas sobre metaverso, internet das coisas, mobilidade elétrica, experiência do cliente e cidades inteligentes.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Entradas relacionadas